quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Corredores - Na dualidade do seu significado.



Amanhece mais um dia na capital baiana
Sol e muito calor, temperatura oscilando entre “inferno quente” e “inferno muito quente” (risos)
Um banho frio para começar o dia e resolver uma das etapas mais dolorosa e de arrependimento que já vivi até a presente data
Aos poucos visto minha armadura, concentro-me e realizo o desjejum
Espero o transporte mais confortável e seguro do mundo
Aquele, que nos braços envolve e no carinho aconchega
Um silêncio mortal e o desejo de tudo estar bem
Mãos gélidas, sentimento de estar a caminho da condenação ou da libertação
A incerteza vai consumindo ao tempo que sincronizo os meus passos
Respiração ofegante
Frio na barriga
Calafrios
O TEMPO NÃO PARA, mais hoje ele parou no exato instante que saí do elevador
O corredor tornou-se longo
As pernas "bambearam"
A ansiedade me atormentava, assim como consome os seus olhos esperando o desfecho desse texto
O metabolismo aumentava
E as mãos gélidas tremiam e suavam ao mesmo tempo
O suco gástrico corroendo as entranhas
Pronto! Abri a porta
O negociador deseja bom dia, nas mãos dele está a carta da minha libertação
Não consegui conter
As lágrimas não pouparam esforços e em um piscar de olhos jorraram, era uma mistura de desespero e esperança
Depois de alguns minutos, pude entender que alguns negociadores dispõem de um coração que bate no peito
Ufa!
Mais uma vez as lágrimas ferozmente derramaram-se inundando minha face de alívio e interrompendo o silêncio, uma voz branda soa ao meu ouvido como um abraço apertado
- Mais uma etapa vencida minha filha
Desaguei mais uma vez
E assim estou reconstruindo, prestes a encerrar o ano de 2009
Zerando o cronometro para começar uma nova caminhada e trilhar outros rumos
Correndo a favor do tempo e do espaço nos corredores das escolhas de cada porta, entrando, saindo, fechando, abrindo...

Um comentário:

Erica disse...

Ó q musica linda de Raul:
http://www.youtube.com/watch?v=nwCD_lWomag

:))