sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Fix You - versão Boyce Avenue

Para iniciar a volta dos olhos negros ao mundo das letras, que tal algo de um pouco que passei?!


terça-feira, 16 de outubro de 2012

Minha estrada


Imagem: Pinterest

Choras 
Sofres por conta dos outros

Não dormes
Afligindo o seu pensar.

Emagrece
Aquele alimento não te satisfaz.

Embarga tua voz ao desabafar 
E então, afogas em rio de águas salgadas tão límpidos quanto a sua alma dolorida

Fecha-te os olhos
Tens um pesar pela sua situação e adormece ao sono dos justos perturbado pelos injustos

Pisa-te em terras firmes que desmoronam em ligações provocativas
Esvaem-se os sorrisos de quem sempre pertenceu

Derradeiros olhos negros que perdem o brilho ao olhar para trás
Vives hoje o que enxergaste antes, crescera com os erros sobrepostos.

Assumiste um fardo grande que tentas solucioná-lo
Os passos são dificultados cada vez que levantas a cabeça e torna-se forte

Magoaste sem intenção para não ser mais magoada
Mudaste com quem mudou contigo

Para toda atitude há de surgir uma consequência, assumiste tal caminho e seguiste em frente, soltaste as amarras e em vida faz-se o viver.

Jornada difícil,  árduos caminhos e mesmo assim ajoelhaste e agradecera o dia que surge e as batalhas necessárias travadas.

Começaste uma nova era, não existirão ganhadores ou perdedores, existirão conquistas e a fé em Deus, pois o que tenho e o que preciso carrego comigo...

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Um suspiro de dor

Em um banco de praça, sinto a caneta bailar entre meus dedos desenhando pensamentos em uma folha em branco, era um desabafo, algo que vem me sufocando nas últimas semanas, o trabalho não flui como gostaria, o desejo da resolução esmorecia com a frustração das expectativas, as lágrimas afogavam a menina dos olhos todas as vezes que começava a pensar, sem disfarces ou outras faces, não escondo o que estou a sentir, posso calar, remoer e secar o amor com a mágoa que habita o peito nesse momento. Em meu rosto reluz que algo de errado está acontecendo e em minhas palavras poéticas torno lúdico o sofrimento.

Luto para que meu sorriso não desapareça, porque sei que ele é capaz de iluminar o dia de alguém.

Desespero, ele reina em esconder-se, pois por muitas vezes sou refém da minha impotência diante doa outros, confesso que não sei me impor, sinto-me fraca, fingindo que tudo está bem e que tudo vai dar certo, sozinha tenho medo de perder o meu bem mais precioso.

O que era para ser a minha base, o meu ponto estrutural, tornou-se algo condenado, interditado pelo órgão mais poderoso, o coração, para a desocupação urgente, pois as estruturas estão abaladas e a qualquer momento virá a ruir.

Digo- lhe que em muitos momentos sinto falta de um afago, um carinho, uma palavra de conforto, credibilidade na minha capacidade, só que, depois que ele se foi tudo ficou diferente, ele era um nó que nos unia, a falta dele é um laço que nos desfez.

Choro porque se foi e hoje não tenho ninguém igual, choro por muitas vezes porque remo em acreditar que o que parecia perfeito não passa de aparência e hipocrisia, sinto inveja dos privilegiados, queria não estar aqui, queria esquecer o meu passado, queria apenas que ele estivesse comigo e então eu saberia o que fazer.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Pela janela eu vi

Será que em algum lugar eu me perdi?
Você partiu sem mim e não sei o que ficou
Talvez pedaços de algo que passou

Será que era um conto de fadas?
ou será que nada existiu?

Você partiu e agora?
não sei se volta para mim
me quebrou em mil pedaços

Partilhei estes cacos
perdi minha alma
já não durmo mais pensando em ti

Errei e agora já sei
meu coração é seu
e você não é mais meu...

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Ele.


Google Imagens

Estou tão apaixonada hoje que a lágrima que escorre da minha face nesse momento não dói, não arde e nem é salgada, ela é adocicada, suave e de um carinho que aquece o coração.

Ela surgiu da saudade de algumas horas que pareciam dias inteiros sem tê-lo, de um desejo de cuidar dele como se fosse à primeira vez em que estivemos juntos, uma vontade de abraça-lo como aquele dia em que percebi e permiti que soubesse o quanto meu corpo o desejava, quando a duvida havia se tornado certeza, o ambiente ao qual eu estava já não me pertencia, as pessoas que circulavam eram apenas pessoas e eu estava ali apenas para esquecer as minha aflições.

Hoje, durante o dia em frente ao notebook olhei diversas vezes para o meu celular, o papel de parede desse pequeno “mobile” é o retrato de um fim de semana especial, com um beijo de fechar os olhos e um bico de muita satisfação, a foto me fez reviver momentos que eternizamos em um “click” e que ele faz com muita precisão. Lembrei de todas as manhãs em que saio para trabalhar e ele está dormindo, pois é cedo demais e é exatamente essa hora em que lhe vejo de outra forma, é a hora em que tenho a certeza de que quero ele e somente ele ao meu lado, não importa por quantas dificuldades tenhamos que passar, por quantas lágrimas ainda tenho que derramar, só de estar com ele em todos os instantes faz com que eu experimente a vontade de ser mãe de seu filho, que eu construa uma família de verdade, que eu presencie as mudanças mutuas, que tenhamos nosso lugar e que possamos apenas crescer juntos.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Chegou a Hora!


Google imagens

"Escrever é registrar o sentimento da sua alma. Publicar é o seu grito de liberdade."
Carla Palmeira


Sempre soube que a realidade é cruel e o sofrimento é o resultado da falta de preparação. Então, peguntava-me todas as noites enquanto sozinha em meu quarto, enquanto os carros passavam lá embaixo, os passarinhos cantarolavam e a casa se movimentava, o sono era interrompido todas as madrugadas pelos caminhos que os dedos percorriam no teclado de um computador iluminado por uma lâmpada incandescente sem ideias, não eram os meus dedos, nem eram meus pensamentos, eram apenas a minha paciência e a submissão pelos julgamentos impostos em um retorno. 

Por que viver nessa realidade tão avassaladora?  

Não advenho de família sem condições financeiras, nunca vi meus pais passarem "aperto", nunca presenciei um corte de luz ou água por falta de pagamento, sempre tive a minha cama quente mesmo com chuva, sempre tive comida na mesa em dia de seca, chuveiro elétrico em tempo de frio, roupas de boa qualidade nas datas festivas, festa de aniversário até os 10 anos por escolha minha, nunca tive mesada, mas se a solicitasse eu haveria de ganhar, nas férias nunca tive problema com tempo ocioso, pois estávamos sempre viajando.

Passei por algumas dificuldades que me fizeram crescer e ter a certeza de que a fantasia só é boa nos livros de contos de fadas.

Busquei responsabilidade desde cedo e mesmo sendo correta nunca era elogiada, pensava em fazer diferente do que vivi com os meus progenitores se um dia realizasse o meu maior desejo, ser mãe. Quando queria ser notada a pirraça era minha arma mais forte, mas devido as consequências, optava pela desistência, hoje pago pelos erros cometidos, ouço pela permissividade e o sorriso inocente torna-se um sorriso sutil ao passar dos anos.

Bem tarde a hora chegou, e se o momento é agora, fica claro o "porque" de muitos mudarem. É bem verdade que foram alvos de minhas críticas nada construtivas e hoje na cartilha de errado e certo, fui a que mais errou, talvez por não saber como agir ou por permitir a superproteção e não reagir. Criei um mundo que nunca existiu, era cômodo fingir não existir problemas, lá eu sentia que não incomodaria ninguém, lá eu era amada, mesmo que superficialmente, mesmo que por interesse, mesmo que fosse de aparência.

O medo da perda surgiu quando um pedaço de mim se foi e a realidade ficou cada dia mais distante, depois de ontem o que se tornou distante foi a fantasia, sem desculpas, sem perdões, sem pudores e sem restrições serei mais real. As perdas existirão e nesse momento tenho algumas certezas que antes não pertenciam a mim e preparo-me para o amanhã de cada dia, metas já foram processadas no silêncio das horas e serão contempladas ao passar do tempo.